Início da migalha de pão Fim da migalha de pão Início do Conteúdo

O papel da publicidade na inclusão

Por Diversidade na Rua, em 26 de outubro de 2017

Anderson Gama

Anderson Gama está usando uma camisa de cor bordô com bolinhas brancas. Ele está sentado e apoiado com os braços em uma mesa. Ele sorri.
Anderson Gama está usando uma camisa de cor bordô com bolinhas brancas. Ele está sentado e apoiado com os braços em uma mesa. Ele sorri.

Primeiramente gostaria de dizer que me sinto lisonjeado pelo convite de poder falar a todos vocês, gostaria de agradecer a Mercur, por ter desenvolvido essa plataforma que na minha concepção busca empoderar pessoas com deficiência, e auxiliar os profissionais que buscam proporcionar uma vida mais independente as pessoas com deficiência no Brasil.

Tendo dito isto, vamos as apresentações. Me chamo Anderson Gama, tenho 27 anos Sou formado em publicidade e propaganda e com especialização de marketing and business in english pela ILSC de Toronto. Trabalho há 4 anos a frente do setor de comunicação da Obra Social Dona Meca ( Instituição referência no atendimento a pessoas com deficiência aqui no Rio de Janeiro, hoje atendemos mais de 270 crianças e adolescentes com deficiência intelectual, física ou múltiplas). Sempre que me perguntam sobre a minha trajetória enfatizo que nunca me imaginei nesta posição; nem no terceiro setor, nem trabalhando com o público PcD, isso porque dentro da universidade as alternativas que nos são :

1. Ir trabalhar em agência (como atendimento, criativo, orçamentista....).
2. Se matar para trabalhar em uma grande agência (similar a primeira alternativa, mas na segunda você vive para fazer network, para então conseguir chegar onde você quer).
3. Trabalhar na parte institucional de uma grande empresa (como a Mercur por exemplo).
4. E última se tornar acadêmico (se você for para universidade particular, muitas vezes essa opção nem é cogitada).

Justamente por isso o meu ideal era um dos três primeiros, mas hoje, eu não me vejo trabalhando fora deste prisma em que me encontro, tenho poucas certezas na vida e uma delas é que daqui pra frente buscarei trabalhar no âmbito de governanças, terceiro setor ou empoderamento de minorias, isso é só para ilustrar como trabalhar na OSDM impactou na minha vida. Trabalhar aqui é um total contra-ponto ao que nos é ensinado, mas é fundamental que outros publicitários se permitam se aventurar por estes campos, pois só assim tornaremos a nossa sociedade melhor e mais justa. A minha fala pode parecer maluca ou utópica, mas já pensou que os esteriótipos de beleza, do "correto" dentre outros nos é imposto pela publicidade e grande midas de massa. Não ? Pois deveria pensar.

A publicidade tem um papel fundamental em nossa sociedade, mais do que vender, ela ajuda a ditar as regras do jogo, por isso que hoje existe uma grande pressão para que a publicidade seja mais integral e que tenha mais a ver com a realidade em que vivemos, mas como mudar isso se muitos dos publicitários se fecham em seu mundo próprio, ficam em uma bolha, onde esquecem de buscar entender a sociedade (apesar de todas as pesquisas que fazem), nós esquecemos da origem etimológica da nossa profissão, me lembro até hoje quando no meu segundo período quando eu cursava introdução a publicidade meu professor Paulo Ribeiro explicou que publicidade vem do latim publicare que significa tornar público, logo na minha concepção nós devemos tornar pública a realidade do nosso país. Segundo o IBGE 24% da nossa população tem algum tipo de deficiência, então, por qual razão esta porcentagem da população não é representada em nossas campanhas publicitárias? Se pensamos em todos, por que o nosso discurso não é integrado e englobador?
Talvez eu esteja me estendendo, mas queria levar esse diálogo para outros lugares como as salas de aulas de nossas universidades, para que outros jovens tenham a oportunidade de perceber isso o quanto antes. Trabalhar na OSDM, me oportunizou abrir os olhos. Hoje sempre questiono lugares que não tenham acessibilidade, pois estes tiram o direito de ir e vir da nossa população com mobilidade reduzida além de não considerá-los como público, o que na minha visão é um total cerceamento. Precisamos repensar este posicionamento agora!

Oito pessoas vestem uma camiseta vermelha escrito
Oito pessoas vestem uma camiseta vermelha escrito "Sport Community". Alguns são cadeirantes, todos estão com os braços levantados e fazem sinal de força.

Ver o mundo com estes olhos e o trabalho que desenvolvo hoje, me renderam inúmeras conquistas, dentre estas foi o convite de participar do GSMP (programa desenvolvido pelo departamento de estado americano, onde recebi mentoria por 45 dias para desenvolver um trabalho ainda melhor na OSDM), conquistei também inúmeros amigos (como atletas paralímpicos, membros de comite, pessoas que assim como eu trabalham em projetos sociais, dentre outros...) e conhecer melhor este âmbito. Recentemente, graças a estes contato pude apresentar o "Diversdade na Rua" para o Gabriel Mayr (Brasileiro, fundador da Urece e que hoje ocupa a cadeira de Educação Física inclusiva na UNESCO) o qual levou o site para ser avaliado pelo seu conteúdo e ao que tudo indica o site será o primeiro em português (primeiro também que não esta na língua inglesa) que eles irão expor o link como referência (por mais que saiba que isso se deve totalmente ao trabalho da Mercur e a iniciativa do Gabriel, fico feliz em ter cumprido a minha função de "tornar pública" esta plataforma). Oportunidades como esta me ajudaram também a melhorar dia após dia a comunicação da Instituição. Hoje por exemplo, estamos desenvolvendo o blog do cotidiano, onde selecionamos 4 jovens atendidos pela OSDM e convidamos eles para falarem do seu dia-a-dia, postarem sobre os momentos bons ou ruins. A ideia é empoderá-los e nos fazer refletir sobre como vemos a deficiência.

Várias pessoas reunidas em frente à sede da Obra Social Dona Meca. Eles sorriem para a foto enquanto seguram uma bandeira do Brasil.
Várias pessoas reunidas em frente à sede da Obra Social Dona Meca. Eles sorriem para a foto enquanto seguram uma bandeira do Brasil.

Caso Queira Saber mais sobre mim:

andersongama.com.br
facebook.com/anderson.gama1
twitter.com/me_medgam

Caso queiram saber mais sobre a OSDM:
www.osdm.org.br
facebook.com/ObraSocialDonaMeca
Instagram.com/ObraSocialDonaMeca
Youtube.com/DonaMeca


Um grande abraço. 

 

Galeria de imagens

Leia também estes conteúdos relacionados:

  • Imagem de Art-ivismo & Ativismo
    Lina Levien

    em 18 de janeiro de 2018

    Art-ivismo & Ativismo

    Você já parou para se perguntar como as lutas dos nossos ancestrais no passado fizeram toda a diferença para nós estarmos vivendo no presente? E como as nossas lutas hoje vão influenciar as...

  • Imagem de Minha história e minha superação

    Meu nome é Edimari, mais conhecida por Mary. Na internet sou conhecida como Mary em Busca dos Sonhos. Atualmente tenho 25 anos de idade, sou paranaense, casada e resido no interior de Tibagi-PR,...

Deixe seu comentário

Fim do Conteúdo
Início do rodapé Fim do rodapé